Análise do conhecimento de moradores quanto à transmissibilidade e prevenção da tuberculose

implicações biopsicossociais

Autores

  • Patrick Leonardo Nogueira da Silva Universidade Estadual de Montes Claros http://orcid.org/0000-0003-2399-9526
  • Maricy Kariny Soares Oliveira Universidade Estadual de Montes Claros
  • Camilla Freitas Guimarães Universidade Estadual de Montes Claros
  • Larissa Freitas Guimarães Universidade Estadual de Montes Claros
  • Letícia Rosa dos Santos Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros
  • Elaine Cristina Santos Alves Universidade Estadual de Montes Claros

DOI:

https://doi.org/10.14295/jmphc.v10i0.515

Palavras-chave:

Tuberculose, Efeitos Psicossociais da Doença, Transmissão, Prevenção de Doenças

Resumo

Os desastres ambientais são cada vez mais frequentes e causam grande impacto social, econômico e ambiental. Para que o cuidado ofertado aos expostos seja adequado e a recuperação integral, devem-se considerar as dimensões física, mental e social nas ações desenvolvidas. O presente estudo objetivou conhecer as possíveis atuações do psicólogo em situações de desastres ambientais e buscou descrever os impactos dos desastres sobre a saúde da população exposta a eles. Para tal, foi realizada uma revisão bibliográfica a partir de publicações feitas por instituições de referência e órgãos oficiais. No campo da Psicologia o debate sobre o assunto tem crescido, assim como a produção de conhecimento. Porém, ainda são escassas as publicações com orientações específicas para a atuação de psicólogos em situações de desastres ambientais. É consenso que as ações relacionadas aos desastres não devem restringir-se ao auxílio durante e após o ocorrido, sendo essenciais práticas preventivas que orientem e conscientizem a população para que sejam capazes de ajudar a minimizar o impacto dos eventos. O psicólogo em todas as etapas deve atuar para promover e proteger os direitos humanos, assim como auxiliar para que a população possa dar novo significado a experiência vivida. É necessário ampliar os debates e estruturar as pesquisas sobre o tema, para que se produzam orientações e diretrizes sólidas para uma assistência efetiva à população afetada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrick Leonardo Nogueira da Silva, Universidade Estadual de Montes Claros

Enfermeiro. Especialista em Saúde da Família. Universidade Estadual de Montes Claros/UNIMONTES, Montes Claros (MG), Brasil.

Maricy Kariny Soares Oliveira, Universidade Estadual de Montes Claros

Enfermeira, Professora Doutora do Departamento de Enfermagem da Universidade Estadual de Montes Claros/UNIMONTES, Montes Claros (MG), Brasil.

Camilla Freitas Guimarães, Universidade Estadual de Montes Claros

Enfermeira da residência Multiprofissional em Saúde de Família da Universidade Estadual de Montes Claros/UNIMONTES. Montes Claros (MG), Brasil.

Larissa Freitas Guimarães, Universidade Estadual de Montes Claros

Enfermeira da residência Multiprofissional em Saúde de Família da Universidade Estadual de Montes Claros/UNIMONTES. Montes Claros (MG), Brasil.

Letícia Rosa dos Santos, Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros

Enfermeira, Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros/FIPMoc, Montes Claros (MG), Brasil.

Elaine Cristina Santos Alves, Universidade Estadual de Montes Claros

Enfermeira, Professora Mestre do curso de Enfermagem da Universidade Estadual de Montes Claros/UNIMONTES. Montes Claros (MG), Brasil.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Vigilância em saúde – dengue, esquistossomose, hanseníase, malária, tracoma e tuberculose. 2a ed. Brasília, DF: MS; 2008.

Brasil. Ministério da Saúde. Grupo Hospitalar Conceição. Centro Federal de Ensino e Pesquisa em Saúde. Serviço de Saúde Comunitária. Tuberculose na Atenção Primária à Saúde. Brasília, DF: 2011.

World Health Organization. Global tuberculosis control: WHO Report 2010. Geneva: WHO; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim epidemiológico – especial tuberculose. Brasília, DF: MS; 2012.

Nogueira JA, Sá LD, França UM, Almeida SA, Lima DS, Figueiredo TMRM, et al. O sistema de informação e o controle da tuberculose nos municípios prioritários da Paraíba – Brasil. Rev Esc Enferm USP. 2009;43(1):125-31.

Giroti SKO, Belei RA, Moreno FN, Silva FS. Perfil dos pacientes com tuberculose e os fatores associados ao abandono do tratamento. Cogitare Enferm. 2010;15(2):271-7. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v15i2.17860.

Caliari JS, Figueiredo RM. Tuberculose: perfil de doentes, fluxo de atendimento e opinião de enfermeiros. Acta Paul Enferm. 2012;25(1):43-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002012000100008.

Souza SS, Silva DMGV, Meirelles BHS. Representações sociais sobre a tuberculose. Acta Paul Enferm. 2010;23(1):23-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002010000100004.

Dias AAL. Vivências psicossociais de pacientes que concluíram o tratamento de tuberculose no interior do Estado de São Paulo: um estudo clínico-qualitativo [dissertação]. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos; 2011. 95 f.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Ética em Pesquisa. Resolução Nº 466, de 12 de dezembro de 2012. A presente Resolução incorpora, sob a ótica do indivíduo e das coletividades, referenciais da bioética, tais como, autonomia, não maleficência, beneficência, justiça e equidade, dentre outros, e visa a assegurar os direitos e deveres que dizem respeito aos participantes da pesquisa, à comunidade científica e ao Estado. Projetos de pesquisa envolvendo seres humanos deverão atender a esta Resolução. Brasília, DF: CONEP; 2012.

San Pedro A, Oliveira RM. Tuberculose e indicadores socioeconômicos: revisão sistemática da literatura. Rev Panam Salud Publica. 2013;33(4):294–30.

Ximenes RAA, Albuquerque MFPM, Souza WV, Montarroyos UR, Diniz GT, Luna CF, et al. Is it better to be rich in a poor area or poor in a rich area? A multilevel analysis of a case-control study of social determinants of tuberculosis. Int J Epidemiol. 2009;38(5):1285-96. http://dx.doi.org/10.1093/ije/dyp224.

Chirinos NEC, Meirelles BHS. Fatores associados ao abandono do tratamento da tuberculose: uma revisão integrativa. Texto Context Enferm. 2011;20(3):599-606.

Sá LD, Barreto AJR, Nogueira JA, Cunha FTS, Palha PF, Villa TCS. A discursividade de gestores sobre aspectos relacionados ao retardo do diagnóstico de tuberculose. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(5):1170-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420130000500022.

Sá LD, Gomes ALC, Nogueira JA, Villa TCS, Souza KMJ, Palha PF. Intersetorialidade e vínculo no controle da tuberculose na Saúde da Família. Rev Latino-Am Enferm. 2011;19(2):387-95.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. Brasília, DF: 2011.

Assunção CG, Seabra JDR, Figueiredo RM. Percepção do paciente com tuberculose sobre a internação em hospital especializado. Cienc Enferm. 2009;15(2):69-77. http://dx.doi.org/10.4067/S0717-95532009000200008.

Wendling APB, Modena CM, Schall VT. Tuberculose: o estigma na visão de gerentes de centros de saúde de Belo Horizonte, MG – Brasil. Cad ESP. 2010; 4(2): 11-8.

Downloads

Publicado

2019-04-29

Como Citar

1.
da Silva PLN, Oliveira MKS, Guimarães CF, Guimarães LF, dos Santos LR, Alves ECS. Análise do conhecimento de moradores quanto à transmissibilidade e prevenção da tuberculose: implicações biopsicossociais. J Manag Prim Health Care [Internet]. 29º de abril de 2019 [citado 12º de agosto de 2022];10. Disponível em: https://www.jmphc.com.br/jmphc/article/view/515

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>