Infecções hospitalares em pacientes submetidos à cirurgia cardíaca

uma revisão das incidências quanto aos fatores de risco pós-cirurgia

  • Patrick Leonardo Nogueira da Silva Universidade Estadual de Montes Claros Faculdade de Guanambi http://orcid.org/0000-0003-2399-9526
  • Renata Fiúza Damasceno Superintendência Regional de Saúde de Mones Claros
Palavras-chave: Infecção hospitalar, Complicações pós-operatórias, Fatores de risco, Incidência.

Resumo

As doenças cardíacas, no contexto atual, apresentam alta prevalência e aumento da morbimortalidade. Sendo assim, as intervenções cirúrgicas têm se tornado mais frequente em decorrência de suas consequências. Este estudo objetivou revisar sobre os fatores de risco predisponentes para infecções hospitalares em pacientes submetidos à cirurgia cardíaca durante o pós-operatório. Trata-se de uma revisão sistemática da literatura na qual, além da pesquisa em livros, procedeu-se a busca em artigos científicos das bases de dados Scientific Electronic Library Online, Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde e PubMed. Verificou-se que as infecções mais comuns foram: as infecções bacterianas primárias, infecções de sítio cirúrgico, urinárias e pneumonias hospitalares representando um desafio para cirurgiões e profissionais de saúde, já que para o sucesso total das cirurgias cardíacas é imprescindível que o paciente esteja em condições clínicas aceitáveis, mas também é necessária uma equipe multidisciplinar treinada e com experiência, assim como um hospital com instalações e equipamentos adequados. Quanto às complicações, destacam-se as do sítio cirúrgico, seguidas por pneumonias, sepse, infecções relacionadas a cateteres e infecções do trato urinário. Em se tratando dos fatores de risco para a infecção pós-operatória cardíaca, destacaram-se neste estudo o sexo feminino, a idade e os procedimentos invasivos como o uso de cateter e sondagem vesical.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrick Leonardo Nogueira da Silva, Universidade Estadual de Montes Claros Faculdade de Guanambi
Enfermeiro. Especialista em Saúde da Família, Didática e Metodologia do Ensino Superior e Enfermagem do Trabalho. Universidade Estadual de Montes Claros/UNIMONTES, Montes Claros (MG), Brasil.
Renata Fiúza Damasceno, Superintendência Regional de Saúde de Mones Claros
Enfermeira, Mestre em Ciências da Saúde, Referência Técnica do Núcleo de Atenção Primária à Saúde da Superintendência Regional de Saúde de Montes Claros/SRS-MOC, Montes Claros (MG), Brasil.

Referências

Rossi Neto JM. A dimensão do problema da insuficiência cardíaca do Brasil e do mundo. Rev Soc Cardiol Estado Sao Paulo. 2004;14(1):1-10.

Lotufo PA. Epidemiologia das doenças cardíacas no Brasil: histórico, situação atual e proposta de modelo teórico. Rev Soc Cardiol Estado Sao Paulo. 1996;6(1):541-7.

Ferraz AAB, Ferraz EM. Antibioticoprofilaxia em cirurgia. Rev Col Bras Cardiol. 2002 [citado 2011 out. 3]. Disponível em: http://www.cbc.org.br/atualizacao/fasciculos/121/antibioticoterapia.htm

Way LW. Cirurgia, diagnóstico e tratamento. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2001.

Meeker MH, Rothrock JC, organizador. Cuidados de enfermagem ao paciente cirúrgico. 10a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1997.

Carneiro JCO, Santos EF, Silva GAC. Controle de infecção hospitalar. 2006 [citado 2011 set. 20]. Disponível em: http://www.saude.df.gov.br/sites/100/163/00003418.doc

Fernandes AT, Fernandes MOVF. Infecção hospitalar e suas interfaces na área da saúde. São Paulo: Atheneu; 2003.

Prado-Palos MA, Canini SRMS, Gir E, Melo LL, Mata DH, Santana RMT, et al. Acidentes com material biológico ocorridos com profissionais de laboratórios de análises clínicas. DST J Bras Doencas Sex Transm. 2006;18(4):231-4.

Veiga JFFS, Padoveze MC. Infecção hospitalar. 2003 [citado 2008 nov. 12]. Disponível em: http://www.cve.saude.sp.gov.br

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Projeto educação e promoção da saúde no contexto escolar: o contributo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária para o uso racional de medicamentos. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2007.

Kollef MH, Sharpless L, Vlasnik J, Pasque C, Murphy D, Fraser VJ. The impact of nosocomial infections on patient outcomes following cardiac surgery. Chest. 1997;112(3):666-75. https://doi.org/10.1378/chest.112.3.666.

Ribeiro KCS, Dealcanfreitas ID, Coutinho HDM. A influência do antibiótico profilático na infecção pós-operatória. Rev Med Hosp Ana Costa. 2004;9(4):79-83.

Ledoux D, Luikart H. Cirurgia cardíaca. In: Woods SL, Froelicher ESS, Motzer SU. Enfermagem em cardiologia. 4a ed. São Paulo: Manole; 2005. p. 675-84.

Abboud CS. Infecção em pós-operatório de cirurgia cardíaca. Rev Soc Cardiol Estado Sao Paulo. 2001;11(5):915-21.

Pasternak J, Ganme APP, Ciosak S, Hirata ML, Mendonca FB. Fatores de risco para infecção após cirurgia cardíaca. Rev Hosp Clin Fac Med Univ Sao Paulo. 1991;46(5):215-8.

Almeida FF, Barreto SM, Couto BRGM, Starling CEF. Fatores preditores da mortalidade hospitalar e de complicações pré-operatórias graves em cirurgia de revascularização do miocárdio. Arq Bras Cardiol. 2003;80(1):41-50. https://doi.org/10.1590/S0066-782X2003000100005.

Galdeano LE, Rossi LA, Nobre LF, Ignácio DS. Diagnóstico de enfermagem de pacientes no período transoperatório de cirurgia cardíaca. Rev Latino-Am Enferm. 2003;11(2):199-206. https://doi.org/10.1590/S0104-11692003000200009.

Rabhae GN, Ribeiro Filho N, Fernandes AT. Infecção do sítio cirúrgico. In: Fernandes AT, et al. Infecçõeshospitalares e suas interfaces na área de saúde. São Paulo: Atheneu; 2000. p. 215-65.

Pereira CAP. Antibioticoprofilaxia em cirurgia. 2004 [citado 2011 set. 15]. Disponível em: http://www.unimeds.com.br

Couto C, Pedrosa T. Infecção hospitalar: epidemiologia e controle. Belo Horizonte: Medsi; 2001.

Stein AT. Avaliação pré-operatória e cuidados em cirurgia eletiva. Porto Alegre: Unimed; 2006.

Fernandes AT. Infecção hospitalar e suas interfaces na área da saúde. São Paulo: Atheneu; 2000.

Baptista IMC, Rigau J, Chavantes MC, Stolf NAG, Dallan LAO, Oliveira SAO. Laser de baixa potência pode prevenir a síndrome da resposta inflamatória sistêmica, pós circulação extracorpórea, em pacientes submetidos à cirurgia cardíaca? Rev Soc Bras Laser. 2006;3(13):10-6.

Campos YAR. A circulação extracorpórea como fator predisponente da infecção hospitalar. Rio de Janeiro: Hospital Santa Tereza de Petrópolis Cirurgia Cardíaca; 2006.

Souza MH, Elias DO. Fundamentos da circulação extracorpórea. Rio de Janeiro: Centro Editorial Alfa; 1995.

Machado A, Ferraz AAB, Ferraz E, Arruda E, Nobre J, Konkewicz LR, et al. Prevenção da infecção hospitalar. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Infectologia; 2001.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Sítio cirúrgico: critérios nacionais de infecções relacionadas à assistência à saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2009.

Dirks JL, Paloma AS. Intervenção e terapêutica cardiovascular. In: Thelan LA, et al. Enfermagem em cuidados intensivos: diagnóstico e intervenção. 2a ed. Lisboa: Lusodidacta; 1996. p. 350-6.

Gelape CL. Infecção do sítio operatório em cirurgia cardíaca. Arq Bras Cardiol. 2007;89(1):3-9. https://doi.org/10.1590/S0066-782X2007001300013.

Beluda FA, Bernasconi R. Relação entre a força muscular respiratória e a circulação extracorpórea com complicações pulmonares no pós-operatório de cirurgia cardíaca. Rev Soc Cardiol Estado Sao Paulo. 2004;1(4):1-9.

Regenga MM. Fisioterapia em cardiologia: da UTI à reabilitação. São Paulo: Editora Roca; 2000.

Noma HH, Malta MA, Nishide VM. Enfermagem em unidade de terapia intensiva: assistindo ao paciente em pós-operatório na UTI: aspectos gerais. São Paulo: UNICAMP; 1997.

Felcar JM, Guitti JCS, Marson AC, Cardoso JR. Fisioterapia pré-operatória na prevenção das complicações pulmonares em cirurgia cardíaca pediátrica. Braz J Cardiovasc Surg. 2008;23(3):383-8. https://doi.org/10.1590/S0102-76382008000300016.

Ambrozin ARP, Cataneo AJM. Aspectos da função pulmonar após revascularização do miocárdio relacionados com risco pré-operatório. Braz J Cardiovasc Surg. 2005;20(4):408-15. https://doi.org/10.1590/S0102-76382005000400009.

Akamine N, Fernandes Junior CJ, Wey SB, Knobel E. Choque séptico. In: Knobel E. Condutas no paciente grave. São Paulo: Atheneu; 2000. p. 175-210.

Sales Junior JAL, David CM, Hatum R, Souza PCSP, Japiassu A, Pinheiro CTS, et al. Sepse Brasil: estudo epidemiológico da sepse em unidades de terapia intensiva brasileiras. Rev Bras Ter Intensiva. 2006;18(1):9-17. https://doi.org/10.1590/S0103-507X2006000100003.

Spina GS, Sampaio RO, Grinberg M. O seguimento clínico de portadores de valvopatias. Rev Soc Cardiol Estado Sao Paulo. 2001;11(1):66-71.

Schimin LC, Batista RL, Mendonça FCC. Mediastinite no hospital de base do Distrito Federal: incidência em seis anos. Braz J Cardiovasc Surg. 2002;17(2):36-9. https://doi.org/10.1590/S0102-76382002000200008.

Souza VC, Freire ANM, Tavares-Neto J. Mediastinite pós-esternotomia longitudinal para cirurgia cardíaca: 10 anos de análise. Braz J Cardiovasc Surg. 2002;17(3):266-70.https://doi.org/10.1590/S0102-76382002000300012.

Richtmann R, Levin ASS. Infecção relacionada ao uso de cateteres vasculares. 3a ed. São Paulo: Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar; 2005.

O’Grady NP, Alexander M, Burns LA, Dellinger EP, Garland J, Heard SO, et al. Diretrizes para a prevenção de infecções relacionadas a cateteres intravasculares. Rio de Janeiro: Centro Nacional para Doenças Infecciosas; 2002.

Brandão MR. Cateter totalmente implantável em pacientes oncológicos: experiência de 46.076 dias. Rev Bras Nutr Clin. 1997;12:66-72.

Pinto CF, Altoé LM. Cateter venoso central semi-implantável de baixo custo no tratamento quimioterápico. Rev Prat Hosp. 2003;5(30):89-95.

Soares GMT, Ferreira DCS, Gonçalves MPC, Alves TGS, David FL, Henriques KMC, et al. Prevalência das principais complicações pós-operatórias em cirurgias cardíacas. Rev Bras Cardiol. 2011;24(3):139-46.

Blatt JM, Miranda MC. Perfil dos microorganismos causadores de infecções do trato urinário em pacientes internados. Rev Panam Infectol. 2005;7(4):10-4.

Gagliardi EMDB, Fernandes AT, Cavalcante NJF. Infecção do trato urinário. In: Fernandes AT, Fernandes MOV, Ribeiro Filho N. Infecção hospitalar e suas interfaces na área da saúde. São Paulo: Atheneu; 2000.p. 459-78.

Poveda VB, Galvão CM, Santos CB. Fatores predisponentes à infecção do sítio cirúrgico em gastrectomia. Acta Paul Enferm. 2005;18(1):31-8. https://doi.org/10.1590/S0103-21002005000100005.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Epidemiologia para o controle de infecção hospitalar. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2000.

Gonçalves AJR. Considerações sobre o diagnóstico e o diagnóstico diferencial das endocardites infecciosas. Arq Bras Med. 1982;56(6):291-3.

Marques SR. Infecção hospitalar: medidas preventivas (isolamento e precauções). Pediatr Mod. 2000;36(1–2):55-63.

McCloskey JC, Bulechek GM. Classificação das intervenções de enfermagem. Porto Alegre: Artes Médicas; 2004.

Smeltzer SC, Bare BG. Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 8a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005.

João PRD, Faria Junior F. Cuidados imediatos no pós-operatório de cirurgia cardíaca. J Pediatr. 2003;79(Suppl. 2):213-22. https://doi.org/10.1590/S0021-75572003000800011.

Publicado
13-04-2020
Como Citar
1.
da Silva PLN, Damasceno RF. Infecções hospitalares em pacientes submetidos à cirurgia cardíaca: uma revisão das incidências quanto aos fatores de risco pós-cirurgia. J Manag Prim Health Care [Internet]. 13º de abril de 2020 [citado 28º de setembro de 2020];12:1-23. Disponível em: https://www.jmphc.com.br/jmphc/article/view/462
Seção
Revisão da Literatura

Most read articles by the same author(s)