Aspectos epidemiológicos, clínicos e assistenciais da monitorização hemodinâmica invasiva: uma revisão bibliográfica

  • Patrick Leonardo Nogueira da Silva Universidade Estadual de Montes Claros Faculdade de Guanambi http://orcid.org/0000-0003-2399-9526
  • Amanda Gesiele Pereira Santos Universidade Estadual de Montes Claros
  • Bianca Gonçalves Rodrigues Universidade Estadual de Montes Claros
  • Bruna Rodrigues Novi Universidade Estadual de Montes Claros
  • Daniele Zuba Ramos Universidade Estadual de Montes Claros
  • Pollyane Teixeira Rocha Universidade Estadual de Montes Claros
  • Priscila Karolline Rodrigues Cruz Universidade Estadual de Montes Claros
  • Luciana Barbosa Pereira Universidade Estadual de Montes Claros
Palavras-chave: Monitoramento, Pressão Intracraniana, Pressão Venosa Central, Enfermagem

Resumo

A monitorização hemodinâmica refere-se à monitorização invasiva do sistema arteriovenoso, utilizado para medir pressões intracardíacas, intrapulmonares, intravasculares e também para determinar a eficácia da terapia. Este estudo objetivou identificar os aspectos epidemiológicos, clínicos e assistenciais da monitorização invasiva, bem como seus tipos. Trata-se de um estudo descritivo, documental e de revisão bibliográfica. A amostra foi composta por 18 artigos compreendidos entre 1984 a 2016 na qual abordava a temática. A coleta dos dados foi realizada durante o 2º semestre de 2016 por meio de um formulário. Verificou-se que sete artigos tratavam de revisão de literatura; dez, de pesquisa de campo e um estudo de caso. O número de autores por artigo variou entre um a seis. Dos objetivos propostos, identificou-se que a maioria abordava a utilização dos vários métodos de monitorização invasiva, avaliação da técnica utilizada pela equipe de saúde, relatar conceitos e enfatizar as medidas de biossegurança na enfermagem. Constatou-se que o número de pacientes graves em estado crítico tem aumentado consideravelmente por múltiplas causas de modo que, tanto a demanda nas Unidades de Tratamento Intensivo, quanto o uso da monitorização hemodinâmica invasiva neste setor, tem se tornado de fundamental importância para o tratamento e recuperação do paciente. O conhecimento acerca da monitorização hemodinâmica invasiva ajuda a desenvolver a capacidade de decisão clínica, passando do simples registro dos sinais vitais para a interpretação e análise daquela informação, de modo a formular um plano de cuidados de enfermagem apropriado para aquele indivíduo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrick Leonardo Nogueira da Silva, Universidade Estadual de Montes Claros Faculdade de Guanambi
Enfermeiro. Especialista em Saúde da Família, Didática e Metodologia do Ensino Superior e Enfermagem do Trabalho. Universidade Estadual de Montes Claros/UNIMONTES, Montes Claros (MG), Brasil.
Amanda Gesiele Pereira Santos, Universidade Estadual de Montes Claros
Enfermeira, Universidade Estadual de Montes Claros/UNIMONTES, Montes Claros (MG), Brasil.
Bianca Gonçalves Rodrigues, Universidade Estadual de Montes Claros
Enfermeira, Universidade Estadual de Montes Claros/UNIMONTES, Montes Claros (MG), Brasil.
Bruna Rodrigues Novi, Universidade Estadual de Montes Claros
Enfermeira, Universidade Estadual de Montes Claros/UNIMONTES, Montes Claros (MG), Brasil.
Daniele Zuba Ramos, Universidade Estadual de Montes Claros
Enfermeira, Universidade Estadual de Montes Claros/UNIMONTES, Montes Claros (MG), Brasil.
Pollyane Teixeira Rocha, Universidade Estadual de Montes Claros
Enfermeira, Universidade Estadual de Montes Claros/UNIMONTES, Montes Claros (MG), Brasil.
Priscila Karolline Rodrigues Cruz, Universidade Estadual de Montes Claros
Enfermeira, Universidade Estadual de Montes Claros/UNIMONTES, Montes Claros (MG), Brasil.
Luciana Barbosa Pereira, Universidade Estadual de Montes Claros
Enfermeira. Mestre em Ciências da Saúde. Professora do Departamento de Enfermagem da UNIMONTES. Montes Claros, MG, Brasil.

Referências

Ramos CCS, Dal Sasso GTM, Martins CR, Nascimento ER, Barbosa SFF, Martins JJ, et al. Monitorização hemodinâmica invasiva a beira do leito: avaliação e protocolo de cuidados de enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 2008;42(3):512-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342008000300014.

Dias FS, Rezende E, Mendes CL, Réa-Neto A, David CM, Schettino G, et al. Parte II: monitorização hemodinâmica básica e cateter de artéria pulmonar. Rev Bras Ter Intensiva. 2006;18(1):63-77. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-507X2006000100012.

Azevedo TRM, Oliveira LMN. Monitorização hemodinâmica invasiva. São Paulo: Abril; 2013.

Kron IL, Harman PK, Nolan SP. The measurement of intra-abdominal pressure as a criterion for abdominal re-exploration. Ann Surg. 1984;199(1):28-30.

Iberti TJ, Fischer EP, Leibowitz AB, Panacek EA, Silverstein JH, Albertson TE. A multicenter study of phy¬sicians’ knowledge of the pulmonary artery catheter. Pulmonary Artery Catheter Study Group. JAMA. 1990 Dec 12;264(22):2928-32. http://dx.doi.org/10.1001/jama.1990.03450220094030

Lima MV, Ochiai ME, Vieira KN, Cardoso JN, Brancalhão EC, Puig R, et al. Uso da monitorização hemodinâmica contínua não invasiva na insuficiência cardíaca descompensada. ArqBrasCardiol. 2012;99(3):843-47. http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2012005000070.

Knobel E, Akamine N, Fernandes Júnior CJ. O cateter de Swan-Ganz deve ser indicado em todo paciente de terapia intensiva? Rev Soc Cardiol Est São Paulo. 1997;7(2):1-21.

Chen YY, Yen DHT, Yang YG, Liu CY, Wang FD, Chou P. Comparison between replacement at 4 days and 7 days of the infection rate for pulmonary artery catheters in an intensive care unit. Crit Care Med. 2003;31(5):1353-8. http://dx.doi.org/10.1097/01.CCM.0000059433.79220.2B.

Bastos JF, Ferri M, Lima JJG, Kopel L, Lage SG. Goal-directed therapy for decompensated heart failure and renal dysfunction. A pilot randomized clinical trial. Medical Express. 2016;3(2):M160207. http://dx.doi.org/10.5935/MedicalExpress.2016.02.07.

Prado LFA, Alves Junior A, Cardoso ES, Andrade RS, Andrade RS, Fernandes MK. Pressão intra-abdominal em pacientes com trauma abdominal. Rev Col Bras Cir. 2005;32(2):83-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69912005000200008.

Ferreira CB, Bassi E, Lucena L, Carreta H, Miranda LC, Tierno PFGM, et al . Mensuração da pressão intracraniana e desfechos em curto prazo de pacientes com lesão encefálica traumática: uma análise de propensão pareada. Rev Bras Ter Intensiva. 2015;27(4):315-21. http://dx.doi.org/10.5935/0103-507X.20150055.

Mendes CL, Rezende E, Dias FS, Réa-Neto A. Avaliação da variabilidade de intervenções baseadas no cateter de artéria pulmonar: experiência brasileira. Rev Bras Ter Intensiva. 2006;18(2):137-42. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-507X2006000200006.

Pinto CJM, Colombo RCR, Gallani MCBJ. Crenças atitudinais e normativas dos enfermeiros sobre o estudo hemodinâmico por meio do cateter de artéria pulmonar.Rev Latino-Am Enferm. 2006;14(6):915-22. https://doi.org/10.1590/S0104-11692006000600013.

Japiassu AM, Falcão H, Freitas F, Freitas S, Souza PCP, Lannes R, et al. Mensuração da pressão intra-abdominal nas unidades de tratamento intensivo. A opinião dos médicos intensivistas. Rev Bras Ter Intensiva. 2007;19(2):186-91. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-507X2007000200008.

Bersani AL, Gomes JO, Braga ILS, Guimarães HP, Lopes RD. Síndrome compartimental abdominal. Rev Bras Clin Med. 2009;7(1):313-21.

Kochi AT, Manetti HM, Freitas JF, Kristochick JCG, Beleze RJ, Maeda AK, et al. Complicações da monitorização da pressão intracraniana intraparenquimatosa: revisão de literatura. Rev Med Res. 2011;13(1):1-7.

Gentile JKA, Himuro HS, Rojas SSO, Veiga VC, Amaya LEC, Carvalho JC. Condutas no paciente com trauma cranioencefálico. Rev Bras Clin Med. 2011;9(1):74-82.

Thom GB, Inoue KC. A importância do controle de pressão intracraniana em pacientes neurocríticos [monografia]. [Maringá (PR)]: Centro Universitário Ingá; 2014.

Silva WO. Monitorização hemodinâmica no paciente crítico. Rev HUPE. 2013;12(3):57-65. http://dx.doi.org/10.12957/rhupe.2013.7531.

Mueller HS, Chatterjee K, Davis KB, Fifer MA, Franklin C, Greenberg MA, et al. Present use of bedside right heart catheterization in patients with cardiac disease. J Am Coll Cardiol. 1998;32(3):840-64. https://doi.org/10.1016/S0735-1097(98)00327-1.

Capitão E, Pires J. Como eu, enfermeiro, faço: monitorização hemodinâmica. Rev Port Med Int. 2009;16(3):51-5.

Brasil. Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. Mensuração de pressão intra-abdominal. São Paulo: COREN-SP; 2009.

Publicado
29-04-2019
Como Citar
1.
da Silva PLN, Santos AGP, Rodrigues BG, Novi BR, Ramos DZ, Rocha PT, Cruz PKR, Pereira LB. Aspectos epidemiológicos, clínicos e assistenciais da monitorização hemodinâmica invasiva: uma revisão bibliográfica. J Manag Prim Health Care [Internet]. 29º de abril de 2019 [citado 18º de abril de 2021];100. Disponível em: https://www.jmphc.com.br/jmphc/article/view/334

Most read articles by the same author(s)