O apoio institucional como estratégia para promoção de trabalhos em grupo em uma unidade de saúde da família da região metropolitana de Salvador/BA

Autores

  • Deisiane dos Santos Silva Fundação Estatal em Saúde da Família FESF SUS
  • Daniele Daniele Machado Pereira Rocha Fundação Estatal em Saúde da Família FESF SUS

DOI:

https://doi.org/10.14295/jmphc.v14.1198

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Educação em Saúde, Promoção da Saúde

Resumo

Atenção Básica constitui-se como um conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas. Uma das atividades desenvolvidas na Atenção Básica é a promoção de trabalhos em grupo, que se constitui em uma ferramenta importante de gestão, cuidado e promoção à saúde dos usuários assistidos pela Equipe de Saúde da Família. O Apoiador Institucional, nesse processo, tem importante papel no desenvolvimento da educação em saúde, assim como na compreensão e intervenção do processo de saúde-doença-cuidado, pensando nessa prática para além do corpo, levando em consideração também suas especificidades sociais. Assim o objetivo deste trabalho é demonstrar a vivência de uma sanitarista na função de Apoiadora Institucional em uma Unidade de Saúde da Família do município de Camaçari no Estado da Bahia. Experiência ocorreu no período de 13 de setembro de 2021 a 3 de dezembro do mesmo ano, em um município da região metropolitana de Salvador/Bahia, durante o segundo ano de residência. Percebendo a lacuna do primeiro ano de residência em relação às práticas de atividades coletivas e levando-se em consideração os números de usuários com doenças cardiovasculares e com questões de saúde mental, sobretudo casos de ansiedade patológica, pensou-se em um planejamento para o retorno da oferta do Grupo Motivação como ferramenta de cuidado para além dos atendimentos individualizados. As técnicas e práticas de meditação e ioga vêm sendo aplicadas há muitos anos no campo da saúde, evidenciando resultados positivos e precauções que devem ser considerados para o tratamento, acompanhamento e prevenção de doenças e na promoção da saúde. Com isso, reflete-se a importância considerar a sutileza da promoção do cuidado em saúde, pois prevenção e promoção são áreas conectadas entre si e é aí que os traços preventivos se manifestam com normas voltadas para a mudança de hábitos de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniele Daniele Machado Pereira Rocha, Fundação Estatal em Saúde da Família FESF SUS

Sanitarista. Mestre em Estudos Interdisciplinares Sobre a Universidade (PPGEISU/UFBA). Especialista em Saúde Coletiva (ISC/UFBA). Especialista em Saúde da Família (FESFSUS/FioCruz). Bacharela em Saúde (IHAC/UFBA).

Referências

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a política nacional de atenção básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da atenção básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: MS; 2017 [citado 12 nov. 2021]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html

Melo CVA, Rezende MGLS, Moreira Júnior LC, Paula JS. Práticas integrativas e complementares no serviço público de saúde: estudo em Jeceaba, Minas Gerais. J Manag Prim Health Care. 2021;13:e09. https://doi.org/10.14295/jmphc.v13.1032. DOI: https://doi.org/10.14295/jmphc.v13.1032

Pereira IS, Silva JKF, Aragão MM. A utilização das práticas integrativas e complementares em saúde e a atuação multiprofissional no atendimento odontológico: um relato de experiência. J Manag Prim Health Care. 2021;13:e025. https://doi.org/10.14295/jmphc.v13.1150. DOI: https://doi.org/10.14295/jmphc.v13.1150

Ministério da Saúde (BR). Ferramentas para a gestão e para o trabalho cotidiano. Brasília, DF: MS; 2014 [citado 10 nov. 2021]. (Núcleo de apoio à família; vol. 1; Série cardernos de atenção básica; n. 39). Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/nucleo_apoio_saude_familia_cab39.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de gestão do trabalho e da educação na saúde: SGETS: políticas e ações. Brasília, DF: MS; 2011 [citado 20 jan. 2022]. (Série B Textos básicos). Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/SGETS_politicas_acoes.pdf

Bezerra APS, Andrade BBL, Batista BS, Reis CR, Arenhart CGM, Parente CG, et al. Quem são os novos sanitaristas e qual o seu papel?. Rev Tempus Actas Saude Colet. 2013;7(3):57-62. https://doi.org/10.18569/tempus.v7i3.1393.

Campos GWS, Pereira Junior NF, Castro CP. A aplicação da metodologia Paideia no apoio institucional, no apoio matricial e na clínica ampliada. Interface (Botucatu). 2014;18 (Suppl 1):983-95. https://doi.org/10.1590/1807-57622013.0324. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622013.0324

.Barros MEB, Guedes CR, Roza MMR. O apoio institucional como método de análise intervenção no âmbito das políticas públicas de saúde: a experiência em um hospital geral. Cien Saude Colet. 2011;16(12):4803-14. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011001300029. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232011001300029

Campos GWS. Clínica e saúde coletiva compartilhadas: teoria paideia e reformulação ampliada do trabalho em saúde. In: Campos GWS, Minayo MCS, Akerman M, Drumond Júnior M, Carvalho YM, organizadores. Tratado de saúde coletiva. 2a ed. São Paulo: Hucitec; 2008. P. 41-80.

Barros NF, Spadacio C, Costa MV. Trabalho interprofissional e as práticas integrativas e complementares no contexto da atenção primária à saúde: potenciais e desafios. Saude Debate. 2018;42(spe 1):163-73. https://doi.org/10.1590/0103-11042018S111. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s111

.Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades e estados: Camaçari [Internet]. [Brasília, DF]: IBGE; 2021 [citado 6 dez. 2021]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/ba/camacari.html

Ministério da Saúde (BR). Relatório de cadastro individual [Internet]. [Brasília, DF]: MS; 2021 [citado 09 dez. 2022]. Disponível em: http://e-sus.camacari.ba.gov.br/esus/writer?w=f3ff0aea-ebd5-4189-927f-ae2f48e2f54e

Prefeitura Municipal de Camaçari (BA). Instrução Normativa n. 002/2020, de 18 de março de 2020. Dispões sobre orientações para prevenção e controle de infecções pelo novo coronavírus (COVID-19) a serem adotadas nos serviços de saúde do município de Camaçari-Bahia. D Of Munic. 20 mar 2020 [citado 11 fev. 2022];(1376):3-6. Disponível em: https://www.camacari.ba.gov.br/wp-content/uploads/2020/03/diario-1376-assinado-2.pdf

World Health Organization. Depression and other common mental disorders: global health estimates. Geneva: WHO; 2017.

Moura TS, Silva FV. Ansiedade em quarentena: estratégias de governabilidade para os sujeitos ansiosos no decurso da pandemia da covid-19. Rev Bras Linguist Apl.2021;21(4):1161-91. https://doi.org/10.1590/1984-6398202117487. DOI: https://doi.org/10.1590/1984-6398202117487

.Rodrigues RP, Carmo WLN, Canto CIB, Santos ESS, Vasconcelos LA. Fluxograma descritor do processo de trabalho: ferramenta para fortalecer a atenção primária à saúde. Saude Debate. 2019;43(spe 6):109-16. https://doi.org/10.1590/0103-11042019S610. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042019s610

Barros LCN, Oliveira ESF, Hallais JAS, Teixeira RAG, Barros NF. Práticas integrativas e complementares na atenção primária à saúde: percepções dos gestores dos serviços. Esc Anna Nery. 2020;24(2):e20190081. https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2019-0081. DOI: https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2019-0081

.Ministério da Saúde (BR). Humaniza SUS: política nacional de humanização: PNH [Internet]. Brasília, DF: 2013 [citado 13 fev. 2022]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto.pdf

Ramos EA, Kattah JAR, Miranda LM, Randow R, Guerra VA. Humanização na atenção primária à saúde. Rev Med Minas Gerais. 2018;28(Suppl 5):e-S280522. http://www.doi.org/10.5935/2238-3182.20180134. DOI: https://doi.org/10.5935/2238-3182.20180134

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 849, de 27 de março de 2017. Inclui a arteterapia, ayurveda, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, naturopatia, osteopatia, quiropraxia, reflexoterapia, reiki, shantala, terapia comunitária integrativa e yoga à política nacional de práticas integrativas e complementares [Internet]. Brasília, DF: MS; 2017 [citado 25 nov. 2022]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt0849_28_03_2017.html

Pereira LF, Tesser CD. Do yoga para a atenção psicossocial na atenção primária à saúde: um estudo hermenêutico sobre valores e princípios éticos do Yoga Sutra de Patañjali. Cienc Saude Colet. 2021;26(2):711-20. http://www.doi.org/10.1590/1413-81232020261.29482018. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232020261.29482018

Yoshida KK, Furlan PG. Caracterização de participantes de grupos de yoga em serviço universitário de atenção primária à saúde. Rev Saude (Santa Maria). 2021;47(1):e61929. http://www.doi.org/10.5902/2236583461292. DOI: https://doi.org/10.5902/2236583461929

Furlan PG, et al. Práticas integrativas para o cuidado em saúde e o suporte social no ambiente universitário: yoga, meditação e reiki. Cad Pedagog. 2021;15(31):150-61.

Ministério da Saúde (BR). Práticas integrativas e complementares (PICS) [Internet]. [Brasília, DF]: MS; [200-] [citado em 13 fev. 2022]. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-de-a-a-z/p/praticas-integrativas-e-complementares-pics-1/praticas-integrativas-e-complementares-pics

Galvanese ATC, Barros NF, d’Oliveira AFPL. Contribuições e desafios das práticas corporais e meditativas à promoção da saúde na rede pública de atenção primária do município de São Paulo, Brasil. Cad Saude Publica. 2017;33(12):e00122016. http://www.doi.org/10.1590/0102-311X00122016. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00122016

Nascimento MVN, Oliveira IF. As práticas integrativas e complementares grupais e sua inserção nos serviços de saúde da atenção básica. Estud Psicol (Natal). 2016;21(3):272-281. http://www.doi.org/10.5935/1678-4669.20160026. DOI: https://doi.org/10.5935/1678-4669.20160026

Downloads

Publicado

29-12-2022

Como Citar

1.
dos Santos Silva D, Daniele Machado Pereira Rocha D. O apoio institucional como estratégia para promoção de trabalhos em grupo em uma unidade de saúde da família da região metropolitana de Salvador/BA. J Manag Prim Health Care [Internet]. 29º de dezembro de 2022 [citado 25º de maio de 2024];14:e010. Disponível em: https://www.jmphc.com.br/jmphc/article/view/1198

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.