Sífilis gestacional segundo a idade das mães

ocorrências no município do Rio de Janeiro entre 2008 e 2018

  • Mariana Burgos Waltz UFRJ
  • Thamires Vieira Máximo Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Gerson Luiz Marinho Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Andreza Rodrigues Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Epidemiologia, Sifilis, Atenção Primária à Saúde

Resumo

Diversos países têm avançado em estratégias que refletem no declínio da transmissão de doenças; entretanto, o Brasil é o único onde a ocorrência de sífilis congênita e gestacional vem aumentando nos últimos anos. O estado do Rio de Janeiro, bem como a capital, são as unidades federativas que apresentam os índices mais elevados. Este estudo objetiva analisar a ocorrência de sífilis em gestantes residentes no município do Rio de Janeiro, no período 2008–2018. A partir da idade das gestantes, as análises foram conduzidas para aquelas com menos de 20 anos de idade e 20 anos ou mais. Obtiveram-se os dados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação – SINAN, tendo sido selecionados casos de sífilis notificados em gestantes no período de janeiro de 2008 a dezembro de 2018 (numeradores). No cálculo das taxas de incidência, os denominadores foram representados pelos recém-nascidos no município no mesmo período, e extraídos do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos – SINASC. No período, do estudo, foram notificados 26.499 casos de sífilis gestacional, dos quais 7.455 (28,1%) eram gestantes com menos de 20 anos de idade. Ao longo do período analisado, a incidência de sífilis em gestantes adultas aumentou em 10 vezes (de 4,8 para 50,1 casos p/mil NV); enquanto para as adolescentes, a taxa, que em 2008 era de 8,2 casos p/mil NV, atingiu 131 casos por mil NV, em 2018 (aumento de 16 vezes). As análises destacaram diferenças importantes entre as distintas regiões da cidade, com taxas elevadas nos bairros da zona norte e centro, e menos expressivas na zona sul da cidade. A tendência constante reforça hipóteses de que mulheres mais jovens estão mais expostas ao risco de infecção por sífilis. O aumento da cobertura da população assistida por equipes de saúde deve ser acompanhado de medidas de prevenção mais eficazes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Burgos Waltz, UFRJ

Enfermeira pela Escola de Enfermagem Anna Nery

Thamires Vieira Máximo, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Enfermeira pela Escola de Enfermagem Anna Nery

Gerson Luiz Marinho, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Epidemiologista. Professor do Departamento de Enfermagem de Saúde Pública. Escola Anna Nery/UFRJ

Andreza Rodrigues, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor do Departamento de Enfermagem de Saúde Pública. Escola Anna Nery/UFRJ

Referências

Barbosa DRM, de Almeida MG, Silva AO, Araújo AA, Santos AG. Perfil epidemiológico dos casos de sífilis gestacional. Rev Enferm UFPE on line. 2017;11(5):1867-74. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v11i5a23335p1867-1874-2017.

Costa EF, Nóbrega ES, Conceição Filho JA, Luiz JAM. A motivação do profissional de saúde no controle da sífilis em gestante na região de M’Boi Mirim [monografia na internet]. [São Paulo]: Escola Municipal de Saúde; c2016 [citado 15 jun. 2020]. [28 p.]. Disponível em: http://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/en/sms-12698

Pan American Health Organization. New generations free of HIV, syphilis, hepatitis B, and chagas disease: EMTCT Plus in the Americas, 2018 [Internet]. Washington, DC: PAHO; 2019 [citado 15 jun 2020]. Disponível em: https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/50993/9789275120675_eng.pdf?sequence=2&isAllowed=y

Souza BSO, Rodrigues RM, Gomes RML. Análise epidemiológica de casos notificados de sífilis [Internet]. Rev Soc Bras Clin Med. 2018 [citado 15 jun 2020];16(2):94-8. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2018/09/913366/16294-98.pdf

Ministério da Saúde (BR). Indicadores e dados básicos da sífilis nos municípios brasileiros 2010 a 2019 [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2019 [citado 20 jun 2020]. Disponível em: http://indicadoressifilis.aids.gov.br/

Ministério da Saúde (BR). Sífilis: 2018. Brasília, DF: MS. 16 nov. 2018 [atualizado 4 dez. 2018; citado 20 jun 2020]. (Boletim epidemiológico; vol. 49, n. 45). Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2018/boletim-epidemiologico-de-sifilis-2018. ISSN 2358-9450.

Reis GJ, Barcellos C, Pedroso MM, Xavier DR. Diferenciais intraurbanos da sífilis congênita: análise preditiva por bairros do Município do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saude Publica. 2018;34(9):e00105517. https://doi.org/10.1590/0102-311x00105517.

Lima-Costa MF, Barreto SM. Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2003;12(4):189-201. 10.5123/S1679-49742003000400003.

Lima MG, Santos RFR, Barbosa GJA, Ribeiro GS. Incidência e fatores de risco para sífilis congênita em Belo Horizonte, Minas Gerais, 2001-2008. Cienc Saude Colet. 2013;18(2):499-506. https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000200021.

Montilla DER. Noções básicas da epidemiologia. In: Borges APA, Coimbra AMC, organizadoras. Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 2008. p. 134-48.

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Mapeamento das atividades produtivas e da população trabalhadora do município do Rio de Janeiro [Internet]. Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. 2017 [citado 15 ago 2020]. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/documents/73801/2e652a52-c1a3-4de3-a2bd-e80eefc0280a#:~:text=As%20%C3%A1reas%20program%C3%A1ticas%20(APs)%20tem,PMS%2DRJ%2C%202013

Ministério da Saúde (BR). Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012, do Conselho Nacional de Saúde. Brasília, DF: Diário Oficial da União; 12 dez 2012.

Presidência da República (BR). Lei n. 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º, no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei n. 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial [da] União; 18 nov 2011 (citado 20 jun 2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/ l12527.htm

Araújo CL, Shimizu HE, Sousa AIA, Hamann EM. Incidência da sífilis congênita no Brasil e sua relação com a estratégia saúde da família. Rev Saude Publica. 2012;46(3):479-86. https://doi.org/10.1590/S0034-89102012000300010.

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Saúde. Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro; [2015?] [citado em 15 ago. 2020]. 26 p. (Caderno de Políticas Públicas; vol. 1). Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/4379008/4130227/SaudePORT.pdf

Pan American Health Organization. Guidance on syphilis testing in Latin America and the Caribbean: improving uptake, interpretation, and quality of testing in different clinical settings [Internet]. Washington, DC: PAHO. 2015 [citado 16 ago. 2020]. Disponível em: https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/7706/9789275118603_eng.pdf?sequence=1&amp%3BisAllowed=y. ISBN 978-92-75-31860-7

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 104, de 25 janeiro de 2011. Define as terminologias adotadas em legislação nacional, conforme disposto no Regulamento Sanitário Internacional (RSI 2005), a relação de doenças, agravos e eventos em saúde pública de notificação compulsória em todo o território nacional e estabelecer fluxo, responsabilidades e atribuições aos profissionais e serviços de saúde. Brasília, DF: Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil; 25 de janeiro de 2011. Seção 1, p. 37.

Pan American Health Organization. Strategy and plan of action for the elimination of motherto-child transmission of HIV and congenital syphilis [Internet]. Washington, DC: PAHO. 11 Aug 2010 [citado 16 agosto de 2020]. Disponível em: https://www.paho.org/hq/dmdocuments/2010/cd50-15-e.pdf

Organização Mundial da Saúde. Eliminação mundial da sífilis congênita: fundamento lógico e estratégia para ação [Internet]. Genebra: WHO; 2008 [citado 16 ago. 2020]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/43782/9789248595851_por.pdf

Publicado
06-04-2021
Como Citar
1.
Burgos Waltz M, Vieira Máximo T, Luiz Marinho G, Rodrigues A. Sífilis gestacional segundo a idade das mães: ocorrências no município do Rio de Janeiro entre 2008 e 2018. J Manag Prim Health Care [Internet]. 6º de abril de 2021 [citado 21º de abril de 2021];13:e03. Disponível em: https://www.jmphc.com.br/jmphc/article/view/1108
Seção
Artigos Originais